top of page

O segredo por trás de uma boa análise de dados: a metodologia da sua pesquisa científica.

Entenda como a elaboração de uma boa metodologia pode alavancar os resultados de sua pesquisa científica!


Você sabe qual é uma das etapas mais importantes de uma pesquisa científica bem estruturada? A resposta é simples: a metodologia. Ela é a base de uma pesquisa quantitativa bem-sucedida, pois irá orientar o pesquisador na coleta, análise e interpretação dos dados.


Com um bom plano metodológico, o pesquisador poderá estabelecer os procedimentos, as técnicas e as ferramentas que serão usadas para alcançar os objetivos do estudo. Portanto, não tenha preguiça ou defina a sua metodologia de forma desleixada: é essencial que sua estrutura seja bem planejada, para que a pesquisa seja realizada de forma eficiente e com resultados confiáveis e válidos.


Mas como criar uma boa metodologia?

Primeiramente, é preciso se atentar a uma definição precisa dos objetivos da pesquisa. A partir de uma definição precisa e sem ambiguidades de quais serão os objetivos do estudo, o pesquisador poderá encontrar e montar o melhor plano metodológico para a pesquisa em questão, escolher as técnicas e as ferramentas mais adequadas para alcançar os resultados desejados.


Um outro ponto bastante crucial nesse momento de construção é a definição da população ou amostra que será investigada, levando em consideração os critérios de inclusão e exclusão. A escolha da amostra deve ser representativa, para que os resultados possam ser generalizados para a população de interesse. E quando falamos de pesquisas quantitativas, para além do representativo, precisamos falar do tamanho amostral mínimo para encontrarmos resultados úteis e válidos nos testes estatísticos e psicométricos a serem aplicados.


O próximo passo é escolher o instrumento de coleta de dados mais adequado para a pesquisa. Vale lembrar que existem várias técnicas disponíveis, como questionários, escalas, entrevistas e testes. Cada uma delas tem suas vantagens e desvantagens, e o pesquisador deve escolher a técnica que melhor se adapte aos objetivos do estudo e à população investigada. Nesse momento, é de suma importância que o pesquisador entenda sobre validade e fidedignidade das escalas e testes utilizados. No campo da psicometria, instrumentos com poucas evidências ou qualidades psicométricas não são recomendados para usos em pesquisa ou clínicos.


Com a metodologia estabelecida, chegou a hora dos temidos procedimentos de coleta e análise de dados. Nessa etapa, será preciso definir a forma de administração do instrumento de coleta de dados (online, presencial, por telefone), a definição dos critérios para a exclusão de dados inválidos ou incompletos e a escolha das técnicas estatísticas que serão usadas para analisar os dados.


Uma metodologia fraca e inconsistente pode colocar em risco toda a sua pesquisa – e os resultados derivados dela. Portanto, não seja desleixado nesse momento: planeje com todo o cuidado necessário a sua metodologia, adaptada e organizada de acordo com os critérios necessários para uma pesquisa quantitativa.


Se você está planejando uma pesquisa quantitativa e quer garantir que a metodologia seja adequada aos objetivos do estudo e às práticas atualizadas da área, como a utilização das melhores técnicas de análises de dados e psicometria, você pode contar com a minha ajuda. A minha consultoria e serviços serão personalizados e poderão atender os casos mais simples e complexos do seu estudo. Não perca mais tempo: entre em contato agora mesmo!

Comments


bottom of page